Segunda, 04 de julho de 2022
82 99669-5352
Política

08/05/2022 às 14h23 - atualizada em 09/05/2022 às 15h08

Derek Gustavo

Maceió / AL

Eleição indireta em Alagoas: sem decisão de ministro, Estado segue sem governador-tampão
Senador Rodrigo Cunha e deputado estadual Bruno Toledo conversaram com o Acta sobre a novela que virou a escolha dos novos governador e vice de Alagoas.
Eleição indireta em Alagoas: sem decisão de ministro, Estado segue sem governador-tampão
Sede do Governo de Alagoas: Estado segue sem 'governador-tampão'. FOTO: Derek Gustavo/reprodução/g1

O prazo de 48 horas que o ministro Gilmar Mendes deu para que o Governo do Estado e a Assembleia Legislativa explicassem o método de realização da eleição indireta para governador de Alagoas terminou na última quarta-feira (4). A semana já terminou e o estado segue sem uma definição se ou quando o novo chefe do Executivo estadual será escolhido.


Toda essa novela começou quando, alguns dias antes da sessão da ALE onde os deputados se reuniriam para escolher os novos governador e vice, o PSB entrou com ação na Justiça para impedir a realização da votação. O motivo alegado era a falta de transparência e questionamentos sobre a legislação - recente - que definiu como seria feita a escolha.


A partir daí, a ação passou pelo Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), o Superior Tribunal de Justiça (STJ), até chegar no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesse período, o processo de escolha foi suspenso e retomado algumas vezes até, mais recentemente, chegar às mãos de Gilmar. Até que ele decida, o desembargador Klever Loureiro, presidente do TJ, segue à frente do Estado. Ele ficaria no cargo por apenas 30 dias.


Mais de uma dezena de candidatos disputam a vaga, mas um nome é apontado como favorito - isso desde antes da renúncia de Renan Filho (MDB), onde começou toda essa históri: o deputado estadual Paulo Dantas (MDB). Segundo apuração do comentarista de política do Acta, Felipe Farias, para o grupo de Dantas, já está definida a estratégia adversária: adiar o quanto possível a eleição indireta para tirar o tempo em que este poderia se apresentar ao eleitorado alagoano – como governador-tampão.


Ainda segundo Farias, o PSB já desistiu da ação. Mas isso também depende de decisão do ministro Gilmar Mendes.


São muitas as questões ainda a serem respondidas até que a cadeira de governador do Estado seja ocupada por um novo nome.


Na semana passada, o Jornal do Acta conversou com dois nomes, um a favor outro contra a suspensão da eleição indireta em Alagoas, para entender um pouco mais a respeito desse "cabo de guerra".


Primeiro, o senador Rodrigo Cunha (PSDB). O partido dele é aliado do PSB, partido presidido em Alagoas pelo prefeito de Maceió, JHC; e também do PP, de Arthur Lira. 


Cunha explicou as razões que levaram à ação. Assista abaixo a entrevista na íntegra:



O Jornal do Acta também conversou com a situação. O deputado estadual Bruno Toledo (MDB) defendeu a eleição indireta e a forma como ela deve ser realizada; e criticou os políticos que, na opinião dele, tentam "tumultuar" a eleição.


Assista abaixo à entrevista de Toledo na íntegra:


O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2022 :: Todos os direitos reservados