Terça, 18 de junho de 2024
82 99669-5352
Blogs

10/01/2023 às 00h15

Felipe Farias

Maceió / AL

Nomes... II
Lembrai-vos, disse o internauta: ‘não existem nazistas moderados’
Nomes... II

As autoridades do Distrito Federal não foram lenientes, sinônimo de “suave”, “brando”, “moderado”, “ameno”, “fraco”.


Fraco foi o ministro de Lula, José Múcio (logo de que pasta... Defesa...), que apostou no diálogo para pôr fim aos acampamentos golpistas.


Logo com quem...


Com fascistas, cujo traço mais caraterístico é repudiar o diálogo; abominar a contestação e tratar diversos como inimigos – e, de preferência, defendendo aniquilá-los...


Não, as autoridades do DF não foram lenientes: foram cúmplices.


Se o governador afastado Ibaneis Rocha (MDB) não sabia o que estava se passando entre os acampados golpistas errou.


Se não colocou a Inteligência de suas forças de segurança para saber o que se tramava – principalmente após se descobrir um terrorista com intenções como as de George Washington Oliveira – no bando de golpistas errou.


Afinal, é o responsável pela unidade federativa onde estão as sedes dos três Poderes, sem contar os demais órgãos e instituições que fazem do DF a de importância mais delicada e sensível – institucionalmente, ainda que não estrategicamente.


Aliás, bem provavelmente, não estaria estrategicamente naquele ponto, no centro geográfico do Brasil, apenas por questões simbólicas.


E se Ibaneis Rocha o fez, soube do que soube e não fez nada, errou mais ainda.


Prevaricou – cometeu um crime.


Porém, pelo visto, não “só” foi isso (como se já não fosse bastante): se acumpliciou com os golpistas.


Forças de segurança agem sob comandos.


Se há os desviados na tropa – como os agentes da PRF que apoiaram bloqueios ou da Polícia Rodoviária de São Paulo que bateram continência para baderneiros – que sejam punidos.


Se não foram, o governador do DF (assim como os demais) também errou.


O pronunciamento que gravou ainda no domingo está longe de ser um pedido de desculpas.


Foi hipocrisia em estado mais cristalino.


Assim como a nota divulgada pelo ex-secretário de Segurança e ministro do governo Bolsonaro, Anderson Torres.


E de uma falta de caráter e hombridade ainda maiores por imputar à família uma falha que ele deveria assumir, ao atribuiu a ela o motivo das férias.


Convenhamos, secretário.


Ausentar-se do posto num momento como este não é acinte, não é mera cara-de-pau; é sarcasmo, é tripudiar da capacidade das pessoas inteligentes de saber o quanto está sendo cínico – e entre “inteligentes” não estão incluídos os integrantes do rebanho bovino bolsonarista.


Para os quais, enfim, até parte da grande mídia passou a dar a devida qualificação: terroristas, terroristas bolsonaristas.


Não importa se manipulados, detentores de mentes com poder de processamento de uma calculadora de bebês – e do século passado.


Terrorista bolsonarista.


Poderia até ser hipérbole, mas, é sempre bom reforçar, deixar marcado com firmeza na memória, no imaginário e no senso comum que, no Brasil atual, uma coisa significa a outra e vice-versa.


Não precisaríamos presenciar a afronta ao patrimônio brasileiro – histórico, artístico e institucional, enquanto símbolos – de obras de arte violadas, salas que deveriam simbolizar o orgulho de muitos, de pessoas do povo mesmo, das que vão à capital do seu país e se alegram em fazer fotos.


Concordem com o governo ou não, tenham votado em seus ocupantes ou não, mas, se orgulham de ver corredores e salões de palácios de Brasília, sabendo ser a expressão da imponência do centro de poder que vemos em tantos outros palácios por aí – mas, com noção de que nesse formato, com esses traços, com tal perfil, só existem em nosso país.


Não precisaríamos experimentar o amargo dessa experiência se os tivéssemos chamado pelo nomes que devem ter todos os elementos com que convivemos nos últimos dois meses: bandos, em vez de manifestantes; concentração de terroristas golpistas, em vez dos acanhados “acampamentos antidemocráticos” pedindo intervenção democrática.


Criminosos – porque pedir a quebra dos princípios democráticos não é exercício de direito à manifestação e liberdade de expressão coisíssima nenhuma. É crime.


Ora, quanta hipocrisia.


E chamando-os pelo nome, adotar as medidas cabíveis.


E o pior: patrióticos?


Vimos o quanto são “patrióticos” os terroristas em ação nesse domingo, na Praça dos Três Poderes.


Por isso, não foi sem preocupação que vi a grande mídia baixar o tom, nessa segunda (09) e passar a citar um igualmente hipócrita “bolsonaristas radicais” para identificar os que atacaram Brasília.


Parafraseando um internauta que respondeu postagem de perfil que contestava a ação dos terroristas – e usou um dos eufemismos: usar o adjetivo “radical” deixa implícito que haveria os não radicais, ou até moderados.


E, como lembrou o internauta, bolsonaristas são nazistas (vide a saudação no acampamento em Santa Catarina; a fala do então ministro da Cultura Roberto Alvim, de janeiro de 2020, com atitude, cenário e texto inspirados no ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbles, e as várias expressões supremacistas do governo Bolsonaro) e “não existem nazistas moderados”.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Com a Palavra

Com a Palavra

Blog/coluna Blog do programa Com a Palavra, que traz, toda semana, entrevistas com personagens relevantes da política e da sociedade alagoanas.
Facebook
© Copyright 2024 :: Todos os direitos reservados