Quarta, 17 de julho de 2024
82 99669-5352
Política

17/06/2024 às 17h17 - atualizada em 18/06/2024 às 08h25

Acta

MACEIO / AL

Após polêmica, deputada evangélica pede retirada de assinatura de PL do Aborto
Renilce Nicodemos apresentou requerimento para retirar assinatura do PL nº 1094/24 e afirma que projeto não está
Após polêmica, deputada evangélica pede retirada de assinatura de PL do Aborto
Deputada Renilce Nicodemos (MDB-PA) pede para retirar assinatura de PL 1094/24, que equipara aborto a homicídio. FOTO: Reprodução/Câmara dos Deputados

A deputada federal evangélica Renilce Nicodemos (MDB-PA) emitiu um requerimento em que pede que sua assinatura seja retirada do PL nº 1094/24, que equipara o aborto após a 22ª semana a homicídio e teve requerimento de urgência aprovado na Câmara. O documento foi enviado à Mesa Diretora da Câmara, mas a deputada já havia anunciado a decisão na última quinta-feira (13).


Integrante da bancava evangélica, Nicodemos era uma das 12 mulheres que assinaram o PL. Afirmou à Folha de S.Paulo que é favorável aos casos em que o aborto é legal e previsto em lei: gestação decorrente de estupro, anencefalia fetal e de risco de vida à pessoa gestante. Marie Claire tentou contatar a deputada e aguarda retorno.


Ela percebeu que o projeto, de autoria do deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), não está "de acordo com o meu pensar e a forma com a qual eu defendo crianças e mulheres".


"Antes eu tinha entendido que era um projeto que daria benefícios e proteção às mulheres. Mas fui me aprofundar e vi que no texto tem uns parágrafos que diz que a mulher terá pena maior do que o próprio estuprador", afirmou Nicodemos à Folha. "Preferi fazer a retirada da assinatura porque tenho certeza absoluta que esse projeto não irá favorecer nem as mulheres nem as nossas crianças, somente esses agressores e estupradores. Sou contra o projeto", continuou.


A parlamentar, que é suplente na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, também foi considerada para ser relatora do PL na Câmara, mas recusou. O presidente do Plenário, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que escolherá uma deputada mulher e de centro como relatora, e que tenha uma postura moderada sobre o assunto.


Lira foi o responsável por colocar o projeto em pauta e em votação simbólica, sem registro dos nomes de parlamentares, apenas da posição dos partidos. A votação durou 23 segundos.


PL nº 1904/24 quer equiparar pena de aborto ao crime de homicídio simples


O PL nº 1904/24, nomeado por militantes feministas como PL da Gravidez Infantil, visa equiparar a pena para aborto feito depois da 22ª semana, legalmente ou não, ao crime de homicídio simples. Com isso, a pena pode subir para seis a 20 anos de prisão, a depender do entendimento de juízes em cada caso. Especialistas veem o projeto como um retrocesso, além de definirem o projeto como uma forma de criminalizar ainda mais a realização do aborto no país.


Fontes ouvidas por Marie Claire ratificam que as maiores impactadas podem ser meninas vítimas de estupro. Elas levam mais tempo para detectar a gestação e são, em sua maioria, vítimas de estupro, às vezes por um familiar ou outra pessoa próxima. Dados do Governo Federal apontam que 12 mil meninas entre oito e 14 anos foram mães em 2023.


Além disso, se fosse aprovado, o projeto concederia pena maior para a pessoa que abortar depois de um estupro do que para estuprador. No caso de estupro de uma pessoa adulta, a sentença pode ir de 6 a 10 anos. Se a vítima for menor de idade, varia de 8 a 12 anos. No caso de estupro de vulnerável, de 8 a 15 anos. Se resultar em lesão corporal grave, a sentença pode chegar a 20 anos.

FONTE: Marie Claire

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2024 :: Todos os direitos reservados