Quarta, 17 de julho de 2024
82 99669-5352
Política

18/06/2024 às 12h21

Acta

MACEIO / AL

Mauro Cid e o pai serão ouvidos pela PF nesta terça-feira (18)
Os dois devem prestar novos depoimentos na investigação sobre o caso das joias sauditas, que coloca o ex-chefe do Executivo no centro de um esquema de desvio de presentes de alto valor recebidos em razão de seu cargo
Mauro Cid e o pai serão ouvidos pela PF nesta terça-feira (18)
Foto: Getty

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens da Presidência da República na gestão Jair Bolsonaro e delator, e seu pai, o general Mauro Lorena Cid, têm um encontro marcado com a Polícia Federal na tarde desta terça-feira, 17.


Os dois devem prestar novos depoimentos na investigação sobre o caso das joias sauditas, que coloca o ex-chefe do Executivo no centro de um esquema de desvio de presentes de alto valor recebidos em razão de seu cargo.


As oitivas estão marcadas para as 15 horas (de Brasília). Pai e filho serão ouvidos mais uma vez no bojo da apuração, agora após os investigadores encontrarem mais uma joia que aliados de Bolsonaro teriam tentado vender nos Estados Unidos.


O mais recente depoimento prestado pelo ex-ajudante de ordens da Presidência ocorreu em abril, quando Cid foi chamado à PF para colaborar com diligências que estavam em curso nos Estados Unidos. Foi durante essa fase do inquérito que os investigadores acharam a nova peça do inquérito.


A expectativa é a de que o inquérito seja finalizado ainda neste mês. Caso o relatório final da PF entenda pelo indiciamento do ex-presidente, este será o segundo inquérito em que Bolsonaro será enquadrado formalmente pelos investigadores.


Quando a Polícia Federal abriu a fase ostensiva do inquérito - a Operação Lucas 12:2, em agosto do ano passado, a Polícia Federal apontou indícios de que o ex-presidente Jair Bolsonaro, seu ex-ajudante de ordens Mauro Cid e outros dois assessores do ex-chefe do Executivo ‘atuaram para desviar presentes de alto valor recebidos em razão do cargo pelo ex-Presidente para posteriormente serem vendidos no exterior’.


À época, a corporação apontou que os dados analisados no bojo do inquérito indicam a possibilidade de o Gabinete Adjunto de Documentação Histórica do Gabinete Pessoal da Presidência - responsável pela análise e definição do destino (acervo público ou privado) de presentes oferecidos por autoridade estrangeira ao Presidente - ‘ter sido utilizado para desviar, para o acervo privado, presentes de alto valor, mediante determinação’ de Bolsonaro.

FONTE: Notícias ao Minuto

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2024 :: Todos os direitos reservados